La mitad de los inmigrantes que llegan a Europa entran por España, según la ONU

La mitad de los inmigrantes que llegan a Europa entran por España, según la ONU

La mitad de los inmigrantes que llegan a Europa entran por España, según la ONU

España se ha convertido en el principal país receptor de migración en el Mediterráneo. Casi la mitad de las personas que han llegado por mar a Europa desde el 1 de enero hasta el 12 de diciembre de 2018 lo han hecho a través de las costas mediterráneas españolas, según las últimas cifras de la Organización Internacional para las Migraciones (OIM).

Del total de 111.237 migrantesy refugiados que ingresaron en el continente europeo en ese periodo, 55.206 accedieron por España, lo que implica que la tasa de llegadas registrada por el país es superior a las mil por semana durante todo el año.

Solo este mes han accedido a España más personas por mar desde el norte de África que en cualquiera de los primeros cuatro meses de 2018 y, desde el 1 de noviembre, las llegadas de migrantes han sobrepasado las 150 por día, mientras que durante el primer tercio de 2018, el promedio de España fue de menos de 40 al día.

Pese a que el año pasado las llegadas a Europa superaron las de 2018, España registró solo 20.043 migrantes, de acurdo a datos de la OIM. Sin embargo, la organización asociada a la ONU aclara que el número de llegadas registradas en Europa hasta 2018 (111.237) es bajo en comparación con el señalado en el mismo periodo en 2017, cuando se sitúo en 166.737, y en 2016, año en el que ascendió a 358.018.

Italia versus España

En el caso de Italia ocurre a la inversa. El país transalpino fue receptor de 118.019 migrantes en 2017, pero este año la cifra ha descendido hasta los 23.122. Recién aterrizado en Moncloa tras la moción de censura contra Mariano Rajoy, Pedro Sánchez se vio sorprendido por la disyuntiva de acoger o no a los 629 migrantes que iban a bordo del buque ‘Aquarius’.

El vice primer ministro y titular de Interior italiano, Matteo Salvini, se negó al rescate, pero el Gobierno español los acogió despertando las críticas de parte de la oposición y de partidos en auge como Vox, que, entre otras medidas, propone la deportación de los inmigrantes ilegales a sus países de origen.

Dudo mucho que un migrante tenga en cuenta uuna moción de censura antes de salir de su país y de dejar a su familia, eso no forma parte de su ecuación”

¿Se ha producido realmente un ‘efecto llamada’? Oussama El Baroudi, portavoz de la Organización Internacional para las Migraciones, considera que no. Según explica a ‘Vozpópuli’, las llegadas ya habían aumentado antes del cambio de Ejecutivo. “Dudo mucho que un migrante tenga en cuenta una moción de censura antes de salir de su país y de dejar a su familia, eso no forma parte de la ecuación”, considera.

Más que un ‘efecto llamada’, El Baroudi  apunta un “efecto salida”: “Es el que se produce cuando hay una guerra y no hay servicios públicos, entre otros factores”. “No existe ningún factor simple o exclusivo que esté conduciendo a un aumento de llegadas a España frente a Italia. Es probablemente una combinación de varios. No tenemos suficiente información para formar un análisis o resolución responsable acerca de si los migrantes han cambiando o no su ruta desde Libia a Marruecos”, reconoce.

Crecen las mafias

Las llegadas a España, asegura, ya habían empezado a aumentar en 2016. Por contra, han bajado en Libia e Italia. “Las cifras son altas con respecto al año pasado, pero son manejables a nivel global si se respeta el principio de responsabilidad compartida. 55.206 personas no es el mismo volumen que hemos visto en otros países en 2014, 2015 y 2016”, advierte.

De acuerdo a los datos de la OIM, en la ruta del Mediterráneo occidental hacia España, los cruces durante los últimos años se han ido incrementando. “La ruta parece estar reactivada y el tráfico de personas intensificado, pero es interesante observar que los flujos migratorios ya estaban aumentando en dicha ruta mucho antes de la desaceleración del año pasado en el Mediterráneo central”, señala el experto.

El asistente de la OIM asegura que hay un aumento de las actividades de los traficantes. “Cuando alguien no tiene vías legales para poder llegar a Europa de forma regular y se le ofrece una oportunidad, la acepta aunque venga de parte de una mafia”, dice. Algunas rutas se abren cuando se cierran otras porque, según compara El Baroudi, si uno bloquea el agua de una fuente, acaba saliendo por otra parte: “Los traficantes se adaptan”.

Fuente:Voz Populi

Anuncios

Estrangeiros que residem no Brasil devem continuar renovando documento de identidade

Estrangeiros que moram no Brasil devem continuar fazendo a renovação da CIE (Cédula de Identidade de Estrangeiros)  cada nove anos. O entendimento é do TRF4 (Tribunal Regional Federal da4º Região), que confirmou a obrigatoriedade da renovação do documento e que a sua exigência não contrario princípio da igualdade da Constituição Federal. A decisão foi proferida, por unanimidade, pelo 3º Turma em sessão de julgamento realizada no final de novembro. As informações são do TRF4.

A ação foi ajuizada pelo MinistèrioPúbllico Federal, que pediaa exedição da CIE sem prazo de validade. Além disso, o órgão requisitou que fossem desconsiderados os prazo dos documentos já concedidos, afastando a necessidade das suasrenovações. Para o MPF,estipular um tempo de valida dessa documentação establece um distinção entre a populaçãao nacional e a estrangeira residente no país violando o princípi da igualdade, expresso no artigo 5º da CF.

No entanto, o juizo da 3º Vara Federal de Porto Alegre (RS) considerou a ação civil pública improcedent. Conforme a sentença, a exigência de renovações periódicas não é desporporcional, uma vez que se faz necessária a regulação do trânsito de pessoas estrangeiras em solo nacional.

O MPFapelou ao TRF4, sustentando não haver fundamento para a imposição do prazo de validade e que a manutenção dessa distinção entre estrangeiro e nacionais é injustificavél. Argumentu tmabém que o documento apto a regular o tránsito de pessoas  entre os países é o passaporte, e não a cédula de identidade.

A 3º Turma decidiu, por unanimidade, manter o entendimento do primeiro grau, negando provimento ao recurso. Para a relatora do caso na corte, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, a obrigatriedade da renovaçãao dodocumento de identidade como forma de controle, pela Administração, da regularidade da situação de pessoas estrangeiras em territorio nacional não caracteriza qualquer violação às normas constitucionais.

“Se está diante de grupos distintos e bem definidos de pessoas, os nacionais e os estrangeiros.Tais pessoas devem ser, portanto, jurídicamente tratados com igualdade, porém na medida das diferenças existentes entre si”, ressaltou a magistrada.

Vânia concluiu o seu voto destacando que “considera de um lado a perenidade da condição de brasileiro atribuída aos nacionais, e de outro lado a variedade de situações jurídicas nas quais podem se encontrar estrangeiros reidentes no país, entendo que a exigência da substituiçãododocumentode identidade do estrangeiro a cada nove anos nãocontraria as disposiçõs conttdas naonstituição Federal, notadamente em seuartigo 5º, bem como não desborda da igualdade e da proporcionalidade”.

Fonte: Noticias do Dia

España se suma al pacto migratorio de la ONU rechazado por Gobiernos derechistas

El presidente Pedro Sánchez viaja este lunes a Marrakech para ratificar el Pacto Mundial sobre Migración, una declaración de principios inédita que suscribirán la mayoría de los miembros de Naciones Unidas para abordar los flujos migratorios de una manera conjunta, ordenada y segura. Sánchez aprovechará su segunda visita a Marruecos en menos de un mes para presentar una serie de medidas en materia migratoria. El Gobierno considera que España es “uno de los países mejor preparados para afrontar” este fenómeno gracias a la historia de España como país de llegada, de tránsito, de retorno y de origen de migrantes.

Sánchez intervendrá en el plenario de la cumbre. Será en su discurso cuando anuncie la celebración, en el primer semestre de 2019, de una Conferencia Sobre Desertificación en Almería, donde hace 25 años se celebró el primer congreso internacional sobre la cuestión. El encuentro busca abordar la relación entre cambio climático, desertificación y migraciones. El caso más preocupante es el del Sahel, una región al sur del desierto del Sáhara, castigada por la pobreza, el cambio climático y la penetración del yihadismo radical. “Es urgente hacer algo frente a la extensión del Sahel, que sigue ganando terreno en países como Senegal y empujando a la gente a la migración. Hay que estudiar cómo parar esa expansión de la desertización y cómo recuperar tierras de cultivo y dar pasos que permitan fijar las poblaciones de estas zonas”, mantienen fuentes del Gobierno.

En sintonía con uno de los 23 principios del pacto, que apuesta por la toma de decisiones conjuntas para abordar los desafíos de cada país en materia migratoria, Sánchez anunciará un aumento de la cooperación con países de origen y tránsito de las migraciones. “Se trata de poner en marcha medidas que favorezcan el desarrollo y la creación de puestos de trabajo en estos países”, mantienen desde La Moncloa. El presidente también propondrá  medidas para luchar contra las mafias que trafican con seres humanos y que se nutren de la vulnerabilidad de los migrantes e iniciativas para su inclusión en España.

Sánchez será recibido, junto al resto de delegaciones, por el rey de Marruecos, Mohamend VI y mantendrá, previsiblemente reuniones bilaterales con la expresidenta chilena Michelle Bachelet, actual alta comisionada para los Derechos Humanos de la ONU, y con el director de la Organización Internacional de las Migraciones (OIM), António Vitorino.

El Pacto Mundial para una Migración Segura, Regular y Ordenada comenzó a gestarse en 2016 tras la declaración de los 193 miembros de la ONU en la que asumían que ninguno es capaz de abordar el fenómeno migratorio en solitario. La adhesión de España al pacto ha pasado completamente desapercibida en el debate político español, pero ha causado broncas discusiones políticas en otros países. La derecha y los partidos nacionalistas, de Australia a Canadá, han usado el acuerdo como arma política dotando a un pacto que no obliga a nada de una transcendencia inesperada.

Aunque el acuerdo no es vinculante y hace especial hincapié en que sus principios no violarán la soberanía de los Estados, 11 países, entre ellos Austria, Italia, Hungría o Chile, han decidido desvincularse de un texto que ayudaron a negociar. En Bélgica, el Gobierno se ha roto después de que su primer ministro haya decidido rubricar el pacto; en Canadá, la oposición ha criticado a Justin Trudeau por apoyarlo; la líder del partido de extrema derecha Marine Le Pen ha pedido a Emmanuel Macron que renuncie a este “acto de traición”. Estados Unidos, el primero a desvincularse de la declaración, acaba de divulgar un contundente comunicado que condensa la política restrictiva antiinmigración liderada por Donald Trump en la que hasta se rechaza la sugerencia del pacto de buscar alternativas ante la detención de niños migrantes.

Fuente: El País

Brasil autoriza 25 mil imigrantes para trabalhar no país em 2017

Em 2017, mais de 25 mil autorizações de trabalho a estrangeiros foram concedidas pelo governo brasileiro. Os estrangeiros com maior inserção no mercado de trabalho brasileiro foram os oriundos dos Estados Unidos, com quase 20% das permissões fornecidas. Contudo, nascidos em outros países não ultrapassam 1% do contingente de pessoas empregadas no país.

As informações estão no relatório anual “Migrações e Mercado de Trabalho no Brasil”, divulgado hoje pelo Observatório das Migrações Internacionais, órgão vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O documento mapeia as autorizações para ocupação de vagas formais, as estatísticas da realidade laboral de pessoas de fora atuando no país e tendências da presença de estrangeiros nos diversos setores econômicos brasileiros.

Em 2017, foram concedidas pouco mais de 25,9 mil autorizações de trabalho a estrangeiros, sendo pouco mais de 1 mil permanentes e 24,3 mil temporárias. Em relação aos anos anteriores, houve uma queda considerável. Em 2011, por exemplo, as permissões fornecidas estavam na casa das 70 mil. Nos anos seguintes, houve uma queda, que se acentuou a partir de 2014. Esse fenômeno, pontua o documento, “pode ser entendido como uma consequência das dificuldades econômicas atravessadas pelo país nos últimos anos”.

Gráfico

Desde 2011, houve queda no número de autorizações de trabalho para estrangeiros

Os Estados Unidos foram a origem da maioria dos migrantes que passaram a trabalhar no país em 2017, com 5 mil autorizações. Outros países no topo do ranking são Filipinas (2,1 mil), Reino Unido (1,8 mil), China (1,6 mil) e Índia (1,5 mil). As três primeiras nações da lista têm sido as principais fontes de imigrantes incorporados ao mercado de trabalho desde 2011. Já os principais destinos no Brasil desses trabalhadores no ano passado foram os estados do Riode Janeiro (11,1 mil), São Paulo (10,7 mil) e Rio Grande do Sul (603).

Gêneros, idades e áreas

No recorte por gênero, das 25,9 mil licenças para trabalhar no Brasil, 22,5 mil tiveram como solicitantes homens e 3,3 mil foram repassadas a mulheres. Já se observadas as faixas etárias, a principal foi a de 35 a 49 anos, com 10,8 mil autorizações concedidas, seguida pela de 20 a 34, com 9,9 mil permissões.

Em relação à qualificação dos imigrantes, mais da metade (13,4 mil) possuía nível superior completo. Outra parcela expressiva (10,7 mil) era de pessoas que terminaram o ensino médio. “Os imigrantes com nível superior completo são principalmente os nacionais dos EUA, Filipinas, França e Reino Unido. Já os imigrantes de nível médio completo são imigrantes originários dos seguintes países EUA, Reino Unido, China, e Itália”, registra o relatório.

A área (ou grupo ocupacional, nos termo usados pelo relatório) com maior número de imigrantes foi a de profissionais de ciências e artes, com 12,2 mil autorizações aprovadas. Em seguida vieram os técnicos de nível médio (6,6 mil), trabalhadores da produção de bens industriais (2,4 mil), vendedores e empregados em comércio e serviços (1,8 mil), diretores e gerentes (1,3 mil) e trabalhadores em reparo e manutenção (798).

2018

Já no primeiro semestre de 2018, foram concedidas 13,7 mil permissões para emprego no Brasil. Diferentemente da tendência de queda nos últimos anos, se comparado com o primeiro semestre do ano passado, o número foi maior. De janeiro a junho de 2017, foram dadas 11,9 mil permissões. No tocante ao grupo ocupacional, o perfil mais comum foi o de técnicos de nível médio (5,3 mil), seguido pelos profissionais das ciências e artes (4,1 mil).

Também no ranking de origem os números do primeiro semestre deste ano diferem dos registrados no ano passado. O país com o maior número de imigrantes autorizados a trabalhar no Brasil foi as Filipinas (1,7 mil), seguida pelo Japão (1,1 mil), China (1,05 mil), Estados Unidos (1 mil) e Índia (871).

Fonte: Agência Brasil

Multinacionales extranjeras en España se oponen a controlar el registro de la jornada

Interior de una oficina. lolo vasco/ BluephotoEXPANSION

La asociación Multinacionales por marca España, formada por multinacionales extranjeras con actividad en España, ha expresado su rechazo a la intención del Gobierno de obligar a las empresas a controlar el registro diario de jornada de los trabajadores.

En su opinión, esta obligación no es compatible con el desarrollo de los nuevos modelos de trabajo, basados en la flexibilidad laboral, la conciliación y el teletrabajo, ni tampoco con las demandas y necesidades actuales de los empleados.

“Debemos avanzar hacia un modelo que combine la estabilidad laboral con la movilidad interna y externa de los trabajadores y que permita crear empleos de calidad que generen una mayor productividad. La flexibilidad laboral es clave para favorecer la competitividad tanto de las empresas como de los sectores de actividad”, ha señalado el presidente de esta asociación, José María Palomares.

Por otro lado, Multinacionales por marca España ha informado de que en los próximos días trasladará al Gobierno y grupos parlamentarios su postura en relación a las prácticas laborales en las empresas adheridas a la asociación.

Fuente: Expansión

Brasil já concedeu 134 pedidos de refúgio por perseguição sexual

O Comitê Nacional para Refugiados (Conare) recebeu, pelo menos, 369 solicitações de refúgio relacionados a casos de perseguição por orientação sexual e identidade de gênero de 2010 a 2016. Desse total, foram reconhecidos 134 pedidos da condição de refugiado e outros 195 estão pendentes de análise.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (28), em Brasília, pelo Conare, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, e pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). O Brasil é o quarto país do mundo, depois de Inglaterra, Bélgica e Noruega, a fazer levantamento específico sobre as solicitações da condição de refugiado considerando os motivos associados à população LGBTI. Os números estão disponíveis em uma plataforma online e serão atualizados anualmente.

De acordo com a pesquisa, a maioria dos países de origem dos refugiados LGBTI é do continente africano. Os países que mais forçam a migração da população LGBTI são os que criminalizam a homossexualidade ou não têm condições de proteção dessas pessoas. Nigéria, Gana, Camarões e Serra Leoa lideram a lista de nações de onde saíram os refugiados LGBTI que vivem no Brasil.

O Conare esclareceu que, nesse universo, nem todas as pessoas que solicitaram refúgio são LGBTI, no entanto foram perseguidas em seus países por serem identificadas com a causa das minorias sexuais – como ativistas e militantes – ou por serem portadoras do vírus HIV.

O Conare também reconhece que o número de solicitantes pode ser maior, pois nem todos os casos puderam ser identificados no sistema de busca dos dados do governo federal, uma vez que muitos solicitantes não se sentem à vontade para expor os reais motivos da perseguição sofrida no país de origem ao fazer o pedido de refúgio.

Perfil

O primeiro caso de refúgio para LGBTI reconhecido no Brasil foi para um casal homossexual vítima de violência na Colômbia, em 2012. De acordo com os dados apresentados, os homens gays representam 65% do total de solicitantes de refúgio por orientação sexual e as lésbicas, 10%. Entre os solicitantes, também há 12 bissexuais, 28 heterossexuais e duas mulheres trans de Angola.

A faixa etária predominante é de 18 a 29 anos e a maioria deles também são perseguidos por outras questões relacionadas à política ou religião, por exemplo. Os dados mostram ainda que a região brasileira que mais concentra os refugiados LGBTI é o Sudeste.

Lara Lopes, 34 anos, é uma das refugiadas africanas que escolheu o Brasil para fugir da perseguição por ser homossexual. Formada em Administração de Sistemas, Lara nunca pôde exercer a profissão em seu país, Moçambique, devido ao preconceito.

Emocionada, ela conta que viveu várias situações constrangedoras e humilhantes que motivaram sua decisão de deixar Moçambique. “Não é fácil, é complicado. São muitos refugiados que estão aqui, mas muitos não têm aquela coragem de viver a vida, mesmo saindo de seus países. A gente sai da África, mas a África não sai de nós. Nós viemos de países que têm leis que permitem matar homossexuais”, disse.

Lara disse que muitos governantes do continente africano negam a existência da população LGBTI em seus países e dizem que os homossexuais são “abominações” e “manchas” da sociedade. Ela disse que já “perdeu” duas amigas e chegou a passar dois dias na delegacia com sua ex-companheira sem que as autoridades apresentassem um motivo para a prisão.

A refugiada está terminando um curso de Gestão em TI e não pretende voltar para Moçambique, onde ela diz que se sente inútil. No Brasil, ela também tem se firmado como uma ativista pelos direitos dos refugiados.

“Busco ser no meio deles uma protagonista. E essa plataforma vai ajudar muito, porque eu, como ativista, acredito que usando esses dados posso ajudar muitos refugiados e direcionar boas coisas para aqueles que desconhecem seus direitos.”

Segurança

Apesar de o Brasil ser considerado um país com altos índices de violência contra homossexuais, os refugiados LGBTI consideram o território brasileiro mais seguro. Lara disse que nunca foi vítima de preconceito no Brasil e só o fato de o país ter dados sobre discriminação e homofobia, além de possibilitar a atuação´de um movimento organizado de defesa dos direitos da população LGBTI, já representa um contexto de maior aceitação.

Brasília - O coordenador-geral do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), Bernardo Laferté, divulga o terceiro relatório sobre refúgio no Brasil, no Ministério da Justiça (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Coordenador-geral do Conare, Bernardo Laferté, reconhece que o Brasil ainda tem muito a avançar – Arquivo/Agência Brasil

O coordenador geral do Conare, Bernardo Laferté, disse que o Brasil tem muito a avançar na questão de segurança, mas já apresenta condições de oferecer conforto para essa população. “Ouso dizer que somos um país seguro. Não é a segurança que todos nós gostaríamos, mas nós temos meios legítimos de repressão, policial e judicial, para lidar com atos de violência contra a população LGBTI e apoiadores da causa”.

Bernardo também destacou que o país reafirma sua tradição em acolher e proteger os refugiados ao dar visibilidade aos dados de refúgio por grupo social. O Brasil tem atualmente cerca de sete mil refugiados e 149 mil solicitações de refúgio em aberto.

“É também uma ação de transparência ativa do governo federal em evidenciar esses números, que até então nunca tinham sido mostrados, é inédito aqui no país. É uma parceria com o Acnur e faz um convite ao meio acadêmico e todos que trabalham com o tema LGBTI para tentar compreender esses números, qual a origem, as causas e como o Brasil pode melhorar”, disse.

O vice-representante do Acnur, Federico Martinez, destacou que o Brasil dá um passo importante para ser vanguarda no mundo quando reconhece a condição de refugiadas das pessoas LGBTI. Ele também acredita que os números poderão estimular a análise sobre a qualidade da proteção dada a essa população e motivar a aprovação de uma lei brasileira que criminalize a homofobia.

“Eu acho que também dá para empoderar o coletivo LGBTI. A ideia é como utilizar esses  dados para continuar desenvolvendo políticas públicas para proteção desse coletivo”.

Fonte: Agência Brasil

Adiada decisão sobre expulsão de estrangeiro que teve filho no Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar dia 22/11 se estrangeiros que tiveram filhos no Brasil podem ser expulsos do país. A questão começou a ser julgada nesta tarde, mas um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes adiou a conclusão do julgamento.

Não há data prevista para retomada da votação.

A Corte julga o caso um cidadão da Tanzânia. que foi condenado por uso de documento falso, cumpriu a pena, mas teve a expulsão decretada pelo governo federal. Após a medida, a defesa recorreu à Justiça para o cidadão não deixar o país porque teve uma filha no Brasil, em 2007.  A defesa alegou descumprimento de leis internacionais que garantem a permanência de estrangeiros com filhos nascidos no país.

Battisti

Cesare Battisti

A decisão poderá afetar a situação do italiano Cesare Battisti, que tem um filho brasileiro – Arquivo/Agência Brasil

Apesar de se tratar de situações diferentes, a decisão poderá afetar a situação do italiano Cesare Battisti, que ganhou refúgio no país, dado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em dezembro de 2010. O italiano tem um filho brasileiro.

No início do mês, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que tomará todas as medidas legais para a extradição de Battisti.

Até o momento, sete ministros acompanharam o voto do relator do caso, ministro Marco Aurélio. Segundo o ministro, a expulsão de cidadãos estrangeiros é tema de prerrogativa do Poder Executivo, mas não há poder absoluto e todos os agentes públicos devem cumprir o ordenamento jurídico.

De acordo com o relator, a Lei de Imigração, sancionada no ano passado, garantiu que o estrangeiro em tal situação não pode ser expulso. O Estatuto do Estrangeiro, norma anterior, não vetava a expulsão quando o nascimento do filho tivesse ocorrido depois do fato que motivou o decreto expulsório.

Para Marco Aurélio, a lei nova impediu a expulsão para evitar a quebra da relação familiar. “É tempo de aprofundar a evolução no tratamento da matéria, atentando para a lei fundamental no que revelada a família como base da sociedade e o direito da criança de convivência familiar”, afirmou.

O voto foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Fonte: Agência Brasil